O Rei Leão 3D lidera bilheterias

As estreias da semana contaram com astros no elenco como Jason Stathan, Brad Pitt, Robert DeNiro e o novo de Johhn Singleton com Taylor Lautner no elenco, mas nenhum conseguiu superar o Rei. Sim, Simba reinou.

Para nossa surpresa, O Rei Leão 3D conseguiu ficar em primeiro por mais uma semana arrecadando mais $22 totalizando $77. O que era para ser apenas uma exibição limitada a promover o lançamento do longa animado em Blu-ray e Blu-ray 3D, acabou virando uma fonte de dinheiro a mais para a empresa do Mickey.

Em segundo ficou Moneyball, o drama esportivo da Sony Pictures, com Brad Pitt arrecadando $22,6. O longa custou $50 e teve direção de Bennett Miller, diretor de Capote de 2005. Quem ficou na cola de Moneyball foi Winter, O Golfinho (Dolphin's Tale) da Warner Bros, drama que conta história de superação de um golfinho sem nadadeiras da cauda, conseguindo $22 no final de semana. O custou foi $37, mais fácil de se pagar.

Sem Saída (Abduction) LionsGate, com Taylor Lautner (Crepúsculo) bateu na trave. Conseguindo apenas $11,6 nos seus primeiros dias de exibição, vai demorar um pouquinho para alcançar os $35 gastos na produção. Não só o longa de John Singleton foi mal nas bilheterias, o novo thriller de ação que junta alguns famoso Os Especialistas (Elite Killer) com Jason Stathan, Clive Owen e Robert DeNiro faturou $9,5 para $70 gastos na realização. Um custo muito alto para uma produção quase B. O diretor de curta-metragem Gary McKendry conseguiu um orçamento com a Open Road Films para juntar um bom elenco mas não foi bem aceito pelo público americano. Sua estreia no Brasil está marcada para 2 de Dezembro deste ano.

*Todos os valores são estimados e estão em milhões de dólares.
**Todos os valores estão limitados a suas exibições domésticas, isto é, apenas no Estados Unidos.

Valores pelo Mundo:
Filme - Valor Total Arrecadado (milhões de dólares) - Estreia Americana - Estreia Nacional

Estreias no Brasil em 23 de Setembro:
Sem Saída - $11,6 - 23/9
Premonição 5 - $140,610 - 12/8
Missão Madrinha de Casamento - $284,942 - 13/5
Conan - O Bárbaro - $48,711 - 19/8

Harry Potter 7: featurette com “Previously”

Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 2 estreia nesta sexta-feira, 15. Para ajudar a cabeça de alguns esquecidos, acabou de ganhar um featurette mostrando todos os filmes da saga:

A Pedra FIlosofal
A Câmara Secreta
O Prisioneiro de Azkaban
O Cálice de Fogo
A Ordem da Fênix
O Enigma do Príncipe
As Relíquias da Morte Parte 1

Vale a pena conferir e relembrar.

Transformers O Lado Oculto da Lua

Poster Transformers 3Não é fácil dizer o que estou sentido depois de sair de uma sessão cheio de fãs da trilogia dos robôs. Houve aplausos, muitas risadas e muitos comentários positivos. Esse foi o filme que fecha esta minha querida trilogia do robôs pilotados por Michael Bay. Eu curti muito cada minuto e me pegava boquiaberto algumas vezes com tamanha grandiosidade de certas cenas.

Neste terceiro, a história mostra estar seguindo sempre adiante sem as curvas e falta de noção que marcaram presença no filme anterior. Durante a projeção, em 3D (Real 3D), senti falta de uma versão estendida já que algumas vezes há cortes em cenas para explicar leves detalhes que são explicados com diálogos. Falando no 3D (AH! O 3D!), foi notável a competência na captura, e algumas conversões, no 3D durante TODO o filme. Como eu sempre falo, 3D não é apenas objetos saltando em sua direção, mas criar um aspecto de janela, invés de uma simples tela de projeção.

Para quem já me ouviu falando sobre o filme, percebeu que sempre falo da dublagem e como uma dublagem bem feita pode fazer a diferença. Neste não foi diferente. Quem optou pela versão adaptada ao nosso português não vai se arrepender. Com o mesmo elenco nos filmes anteriores, é um trabalho muito caprichado e lembrando que a dublagem do primeiro filme foi elogiada até pelo diretor Michael Bay.

Não tem como deixar passar a nova estrela, Rosie Huntington-Whiteley. Escolhida para substituir Megan Fox, ela não deixa a desejar. Muito pelo contrário. Em sua primeira cena ela já aparece de calcinha e uma camisa social apenas deixando as pernocas à mostra. Durante o filme percebe-se o empenho dela nas corridas e caras e bocas quando em diálogos com Shia. Aliás, achei que os dois se deram muito bem.

Para quem não anda por dentro das notícias e quer evitar spoiler, melhor pular este parágrafo.

Sobre a história, temos Shockwave e o humano Dylan (Patrick Dempsey) como os vilões. Sam (Shia) agora acompanhado de Carly (Rosie) vão ajudar os autobots e os militares a impedir Megatron de trazer Cybertron para a terra através de um portal dimensional. Mais detalhes podem estragar a experiência no cinema. O que vale é que a história agora tem seu próprio rumo e sem absurdos. Alguém lembra do céu dos Primes? E a tala mágica na mão do Sam depois da queda no deserto? Dessa vez não teria desculpas para não caprichar e entregar mais um filme digno de Transformers e Michael Bay não deceptiona (sacou o trocadilho?).

Dentre as críticas já publicadas por diversos sites, a maioria tende para positivas. Para aproveitar tudo o que o terceiro e último filme dos robôs, é altamente recomendado ser visto em 3D, já que a projeção é digital e utiliza o Real 3D que é com óculos mais leves e sem perda de qualidade por isso. Ainda tem pré-estreias rolando nesta quinta (30/06) e a estreia acontece nesta sexta 01 de julho em 3D Digital e 2D. Quem tiver cinema com sistema de áudio THX vai se surprender ainda mais com o áudio. Eu ainda assistirei pelo menos mais 3 vezes.

 

Trailer dublado

Trailer (Versão Exagerada)

 

Agradecimentos da Hasbro e ILM ao diretor Michael Bay

HasbroILM

Clips

Sam e a Diretora Mearing

Eu Sou o Número Quatro

Eu Sou o Número Quatro reúne uma dupla que admiro muito. O primeiro é D.J. Caruso, responsável pelos thrillers Paranóia e Controle Absoluto. Depois tem Michael Bay, diretor de Transformers e produtor de diversos filmes de terror e suspense como Sexta-Feira 13 e O Massacre da Serra Elétrica. Ao ver estes dois nomes num único trailer, corri para o cinema aproveitando que iria ao shopping para rever os amigos.

Uma sessão estranhamente vazia para um dia de promoção nos cinemas, porém com uma chuva muito forte que caiu por aqui durante a tarde, o filme me pegou de surpresa. Depois de assistir o teaser trailer e ver algumas cenas de ação, eu pensei que seria apenas mais um Jumper da vida. Para quem não se lembra: Jumper foi dirigido por Doug Liman e conta a história de um jovem com o poder de teletransportar, ou simplesmente saltar, e que está sendo caçado por paladinos de não sei de onde. Eu Sou o Número Quatro é uma evolução disso.

Eu Sou o Número Quatro mostra a luta pela sobrevivência de “John Smith” (que quase significa “fulano de tal”, vide Piratas do Caribe A Maldição do Pérola Negra quando Jack Sparrow chega ao cais no início do filme e quando questionado por seu nome ele simplesmente dá algumas moedas ao “flanelinha” do cais, que responde “Bem vindo, Sr. Smith”), interpretado por Alex Pettyfer, que é caçado pelos Mogadorian que mataram o número 3 logo no início do filme. Isso acaba forçando John a trocar novamente de cidade com seu guardião interpretado por Timothy Olyphant. Ao chegar na cidade Paradise, ele volta a estudar e encontra o nerd à procura do pai abduzido, Sam (Callan McAuliffe), a amor da sua vida, Sarah (Dianna Agron) e o carinha popular, Mark (Callan McAuliffe), que é o ex-namorado obsessivo de Sarah. À essa altura, John já tem os aliens maus atrás e ainda uma loira de moto que em certas tomadas lembra Megan Fox em Transformers.

Tecnicamente o filme manda bem nos efeito visuais e, principalmente, nas cenas de ação já que o principal lida com seus poderes em diversos momentos durante cenas de movimentação. A fotografia de Guillermo Navarro (diretor de fotografia nos filmes de Guillermo del Toro) é notável principalmente em cenas passadas à noite. Como não posso deixar passar em branco, D.J. Caruso tem uma direção envolvente com jogo de câmera rápidas, mas não o tempo todo móveis como Michael Bay geralmente utiliza. O elenco agrada (sacou o trocadilho? ;D) e legal ver o casalzinho formado por Alex Pettyfer e Dianna Agron em cenas de amor adolescente com aquela cara “in love”. O novato (pelo menos pra mim) Callan McAuliffe faz um nerd sem amigos e sendo vítima constante de brincadeira tornando o personagem bem carismático após o início da amizade com o Número 4 quando ele quer ser um guerreiro para impressionar as meninas.

No geral, Eu Sou o Número Quatro agrada bastante com uma equipe muito bacana, roteiro adaptado da obra de Pittacus Lore e grandes cenas de ação com efeitos visuais de nível. Com a demora de dois meses em relação à estreia nos EUA (2 de fevereiro), o longa custou aproximadamente $60 milhões e arrecadou apenas $54 milhões apenas no EUA, totalizando $128 milhões pelo mundo. Mesmo com um lucro pequeno, mas com reações positivas diante de boa parte das críticas, há chances de sequência vindo por aí e quem sabe mais uma franquia baseada em obras escritas.