O Ultimato Bourne

bourne_ultimatum_11

Eu estava com grandes expectativas para esse último episódio da trilogia Bourne. Ou melhor, Webb.

O estilo câmera espectador de Paul Greengrass insere o espectador no filme, e você realmente pensa que está no filme de tantos são os socos que a câmera acompanha sentido o impacto, como as perseguições que você se vê correndo atrás de bourne.

Mais uma vez na pele do agente desmemoriado Jason Bourne, Matt Damon se destaca mais uma vez. Sem sorriso no rosto e cara de poucos amigos, ele corre, pula, bate e acelera por Morrocos, Paris, Londres… A Universal Pictures foi longe nessa sequência mais uma vez escrita por Tony Gilroy. Depois de tentar se lembrar de quem é, e consertar ‘erros’ feitos na vida Bourne, o agente finalmente descobre quem realmente é. Afinal, de que adiantaria mais uma sequência sem revelar quem ele era e o que fazia e, principalmente, quem ele era antes dessa vida de assassino da Treadstone.

O Ultimato Bourne nos leva para o final da Supremacia, onde Pam Landy (Joan Allen) revelou que seu verdadeiro nome seria David Webb. Sua história se desenvolve apartir daí­. Aparecem novos personagens, como Noah Vosey e o ‘chefe’ da operação Treasdstone tão falado nos outros filmes. Quem chamou atenção neste último episódio, foi aquela funcionária que cuidava da logí­stica e saúde dos agentes. Quem? Nikki. Julia Stiles até então com seu filme queimado comigo depois do péssimo A Profecia de 2006, agora como personagem que entra no lugar de Marie. A mesma cena do Identidade é repetida com ela. Só faltou o amor deles surgir ali mesmo quando ele olha para ela. Só pela expressão em seu rosto, nós vemos que ele lembra de sua amada, morta em seu lugar no filme anterior.

Quem gosta de filmes policiais, de ação e para quem gostou dos outros filme (A Identidade Bourne e A Supremacia Bourne) com certeza não vai se decepcionar com este que fecha a trilogia. Outro Bourne? Não com Matt Damon. Mas para não estragar esta brilhante franquia da Universal, seria bom que não houvesse outros filmes.

Salve David Webb!